Lançamento do livro PADRE ESTANISLAU, um líder no seu tempo
Logotipo

Lançamento do livro PADRE ESTANISLAU, um líder no seu tempo

(19/04/2016)

O livro “Padre Estanislau, um líder no seu tempo", organizado por Jorge Darós, conta a história do Pe. Estanislau Cizeski. O lançamento será dia 29 deste mês (abril), às 20 horas, no Auditório da Catedral de Criciúma SC.

Editora UNESC e Florentino Luiz Cizeski - Responsável

CONVITE

Um livro para resgatar a história de um dos padres mais importantes do sul de Santa Catarina, pároco de Criciúma nas décadas de 1950 e 1960.

Atuou em um tempo de muitas convulsões políticas no Brasil. Em Criciúma, à época, aconteciam as greves dos mineiros, as lutas sindicais, as crises do carvão, a poluição, o desemprego e carências diversas. Surge, então, o grande líder não apenas religioso, como também político, Pe. Estanislau Cizeski.

Nascimento na localidade de Linha Torrens, então pertencente ao município de Urussanga, a 13 de setembro de 1919, concluiu seus estudos primeiro em São Ludgero - Azambuja (SC) -, depois em São Leopoldo (RS).

Sua Ordenação Sacerdotal aconteceu em Orleans, a 21 de dezembro de 1947.

Pároco de Criciúma nos anos de 1954 a 1966, foi um sacerdote idealista, empreendedor e animador de empreendedores, cujos frutos permanecem em nossa região até hoje.

Pe. Estanislau sonhava com uma Criciúma desenvolvida econômica, social, educacional e religiosamente. Deu a vida por esta cidade que tanto amava.

Pregador incansável, estimulador de empresários, líder na igreja católica, guia seguro de seu povo, construtor de igrejas, criador de paróquias, idealizador de colégios, construtor da galeria Bristot, animador da cultura, político no verdadeiro sentido da promoção do bem comum, nunca usufruiu dos benefícios da religião e da política.

Foi uma voz a serviço do Evangelho, um peregrino do Absoluto, um homem de atitudes com uma única intenção, promover o desenvolvimento de nossa região para o bem de todo o povo. Lutava por todo homem e pelo homem todo, no aspecto material e espiritual.

Faleceu em Criciúma, a 30 de abril de 1984. Sofreu vários infartos, morreu pobre, recolhido à casa de sua irmã, ao lado do Colégio Michel, um dos colégios da cidade por ele idealizados. Seus restos mortais repousam no cemitério municipal São Luiz, em Criciúma.

Nossos grandes exemplos não podem e não devem ser esquecidos. Recordar sua história é buscar em seu exemplo um norte seguro para nossos dias, tanto para os comuns mortais, como para as autoridades civis, políticas e religiosas.

Ao padre Estanislau deveria ser erguida uma estátua na praça Nereu Ramos, não porque ele a desejasse, mas para que os cidadãos criciumenses jamais esqueçam o quanto devem a esse homem que tanto lutou por Criciúma quando ela mais precisava de um líder intelectual, social, político e religioso.


Jorge Darós

MAIS NOTÍCIAS