Logotipo

Resultados da Assembleia Diocesana de Pastoral

Padre Lino Brunel (01/11/2018)

“Venham, vamos nos alegrar juntos. A alegria é sinal de que estamos nos conduzindo pelo Evangelho. A presença alegre, agradecida, fraterna e esperançosa, em tempo integral, é o maior dom que cada um poderá fazer de si próprio”. Com estas palavras o bispo dom João Francisco convocou os padres, diáconos, coordenadores dos segmentos pastorais em nível diocesano e comarcais, religiosas e leigo/as liberados para a pastoral, coordenadores dos conselhos paroquiais de pastoral e representantes dos seminaristas da filosofia e teologia para a Assembleia Diocesana de Pastoral. A assembleia iniciou dia 19 de outubro às 19 horas e se estendeu até o dia 20 às 17 horas.

Ano Pastoral e Dom Romero

As celebrações buscaram colocar no coração de Deus o Ano Pastoral. Já na celebração de abertura, receberam destaque as Santas Missões Populares, o Ano do Laicato e as Escolas de Formação, o Projeto Vocacional e o processo de Iniciação à Vida Cristã como urgência na ação Evangelizadora. As Santas Missões Populares também demarcaram os ritos da Santa Eucaristia e da Celebração de Envio, nesta com a entrega da sandalhinha do missionário. A Oração da Manhã evocou a vida santa de Dom Romero, o mártir das Américas, que tombou derramando seu sangue no altar da missa que celebrava, por defender os pobres e denunciar as injustiças de um governo ditador de extrema direita em seu país.

Iniciação à Vida Cristã

A Assembleia dedicou significativo tempo para um ouvir atento ao clamor que os tempos atuais fazem emergir: “como continuar transmitindo a fé cristã católica nos tempos atuais”. Dom João Francisco fez lúcida explanação sobre a Iniciação à Vida Cristã com Inspiração Catecumenal, Grupos se detiveram a refletir sobre as questões “o que se entende quando se fala de Iniciação à Vida Cristã de Inspiração Catecumenal”? e “que passos dar para que a iniciação à vida cristã e a formação contínua com inspiração catecumenal se tornem eixo central e unificador de toda ação evangelizadora e pastoral?”. Por sua vez, a catequese expôs o que já fez e tem previsto fazer com o propósito de estar a serviço da iniciação à vida cristã.

Na exposição do tema, dom João, recorrendo ao documento de Aparecida, falou do tesouro: “Conhecer a Jesus Cristo pela fé é nossa alegria; segui-lo é uma graça, e transmitir este tesouro aos demais é uma tarefa que o Senhor, ao nos chamar e nos eleger, nos confiou” (DAp n. 18). Ainda: “Conhecer a Jesus é o melhor presente que qualquer pessoa pode receber; tê-lo  encontrado foi o melhor que ocorreu em nossas vidas, e fazê-lo conhecido com nossa palavra e obras é nossa alegria” (DAp n. 29). Falou de algumas inquietações já sinalizadas pelos últimos papas. “A maior ameaça, hoje, é o medíocre pragmatismo da vida cotidiana da Igreja no qual, aparentemente, tudo procede com normalidade, mas na verdade a fé vai se desgastando e degenerando em mesquinhez” (Bento XVI). “A pior discriminação que sofrem os pobres é a falta de cuidado espiritual. [...] A imensa maioria dos pobres possui uma especial abertura à fé; tem necessidade de Deus e não podemos deixar de lhe oferecer a sua amizade, a sua bênção, a sua Palavra, a celebração dos Sacramentos e a proposta dum caminho de crescimento e amadurecimento na fé. A opção preferencial pelos pobres deve traduzir-se, principalmente, numa solicitude religiosa privilegiada e prioritária” (Francisco - EG n. 200).

Dom João Francisco também se referiu à profunda crise de fé que atingiu muitas pessoas e à crise de valores na sociedade atual. Lembrou que a opção religiosa já não é mais uma tradição herdada desde o núcleo familiar. E observou que muitos cristãos (católicos) já não participam na Eucaristia dominical, nem recebem com regularidade os sacramentos, nem se inserem ativamente na comunidade eclesial... Tudo isto desafia-nos a imaginar e organizar novas formas de aproximação deles para ajudá-los a valorizar o sentido de tudo o que foi abandonado.
Apontando saídas, falou do processo de Iniciação à Vida Cristã com Inspiração Catecumenal, que não significa apenas fazer reformas na catequese, mas de rever toda a ação pastoral. Para isso, afirmou ser fundamental ter um projeto diocesano de IVC, através do qual seja possível promover a renovação das comunidades paroquiais. O novo Plano de Pastoral deverá servir para nos colocar todos neste caminho.

Avaliação

Duas questões bastante gerais, já colocadas nas reuniões dos Conselhos Comarcais, em setembro, reuniram o olhar crítico da Assembleia sobre a caminhada pastoral. A primeira questão – oque nos últimos anos Deus conseguiu, através de nós, realizar em nossa diocese que são motivos de alegria e agradecimento e o que não foram motivos de louvor - fez olhar para um tempo mais distante. A segunda questão pedia destaques positivos na ação evangelizadora de 2018 e indicação para o que poderia ter sido melhor. Os itens mais lembrados na primeira questão foram as Escolas de Formação, a Romaria da Terra e das Águas, a Celebração dos 300 anos de Aparecida, a implantação do diaconado permanente, o Plano de Pastoral e a pastoral orgânica e o Setor Juventude, dentre outros. Em 2018, foi unânime o destaque dado às Santas Missões Populares. Receberam destaque também o Ano do Laicato, o Projeto Vocacional Cada Comunidade uma Nova Vocação, o 5º Interdiocesano, as novas Escolas Diocesanas e o caminho já feito para consolidar um projeto de Iniciação à Vida Cristã.

Aprovações

Alguns encaminhamentos feitos na Assembleia teve o seguinte desfecho:
a) Catequese: O novo Roteiro de Iniciação à Vida Cristã para Crianças (roteiro das crianças, roteiro dos catequistas e roteiro dos pais) seja entregue às paróquias em 2019 para ser bem conhecido e seja adotado em toda a diocese a partir de 2020.
b) Santas Missões Populares: A Assembleia aprovou a realização de reuniões em nível comarcal com as comissões paroquiais, uma ainda neste ano e outras no ano que vem, para garantir o dinamismo que o projeto requer.
c) Centenário do Nascimento da Beata Albertina: Foram apresentadas várias sugestões de atividades para serem assumidas pelas paróquias e comunidades no ano do centenário (2019). Além das festividades regulares que serão realizadas no Santuário no decorrer de 2019, a Assembleia fez encaminhamento para duas ações: uma Missa em cada paróquia da diocese com a presença da relíquia de Albertina e uma Romaria ao Santuário organizada por cada uma das 28 paróquias da diocese. Ambas as atividades deverão ser agendadas com o padre Auricélio até o final do mês de novembro deste ano para que conste na agenda do Santuário.
d) Escola Vida e Família: A Assembleia aprovou a proposta da Pastoral Familiar de implantar a Escola Vida e Família com a finalidade de capacitar agentes para uma pastoral familiar mais eficaz. A Escola será iniciada em março de 2020 e funcionará na CEDA, com curso anual, às terças-feiras à noite.
e) Novo Plano de Pastoral: A Assembleia fez a indicação de pessoas para constituírem um grupo que terá a função de elaborar instrumento de avaliação do atual Plano, um projeto para o novo Plano e, depois deste aprovado, a elaboração de um texto mártir do novo Plano para que seja submetido aos diversos espaços de participação e decisão da diocese.
f) Campanha da Fraternidade 2019: O Seminário Diocesano da Campanha da Fraternidade será no dia 21 de fevereiro de 2019, em dois momentos: durante o dia para os Conselheiros que têm participação nos Conselhos de Políticas Públicas em todos os municípios e, à noite, para as paróquias (dez pessoas por paróquia). Será assessor, o professor Daniel Seidel, de Brasília (DF), mestre em Ciência Política pela Universidade de Brasília, professor da Universidade Católica de Brasília, colaborador na equipe de assessoria e análise de conjuntura da CNBB e na Rede Eclesial Pan-Amazônica (REPAM) na preparação para o Sínodo para a Amazônia, convocado pelo Papa Francisco para 2019.

MAIS NOTÍCIAS