Logotipo

Tubarão Acolheu Famílias Venezuelanas

(20/12/2018)

Tubarão Acolheu Famílias Venezuelanas

Por volta das 23 horas do dia 20 de dezembro, famílias venezuelanas chegaram a Tubarão para aqui reconstruir suas vidas. Outro grupo com 82 pessoas ficou em São José, na grande Florianópolis. Estas famílias foram trazidas de Boa Vista (Roraima), onde permaneceram acampadas por longo tempo, em condições bastante precárias, depois de deixarem seu país para fugir do desemprego e da fome. Para a viagem, receberam o apoio do exército brasileiro e do ministério da saúde. A casa de acolhida foi o Sítio das Alamandas (Casa do padre Ângelo e Daizi Volpato e sede da Cáritas Diocesana), onde foi lhes servido um jantar. Depois, um grupo de voluntários os conduziu às duas casas-abrigos, onde permanecerão até se estabilizarem financeiramente e seguirem sua vida normal. As duas casas, em Tubarão, uma na Vila Esperança (Humaitá) e outras no Revoredo, acolheram 20 venezuelanos.

São milhares os venezuelanos e venezuelanas que migraram para o Brasil. Só por Boa Vista (Roraima) chegaram mais de 30 mil. O clamor se tornou tão forte que a Cáritas Brasileira em parceria com a Cáritas da Suíça organizou o Programa Pana (amigo, parceiro na língua indígena Warao).

Faz parte do Programa Pana uma estrutura de acolhimento, preparada pela Cáritas Brasileira, em sete capitais do país, entre elas, Florianópolis. Em Florianópolis a Cáritas Estadual montou a Casa de Direitos, no prédio onde funciona a CNBB Regional Sul 4, e viabilizou a locação de 15 casas-abrigos, 13 delas na cidade de São José, grande Florianópolis, e duas em Tubarão. Cerca de 200 venezuelanos e venezuelanas, cadastrados em Roraima, virão para estas duas cidades através do Pana. Cento e dois deles chegaram na noite do dia 20 de dezembro.

Depois de garantir uma residência para estas famílias, a Cáritas trabalhará para que todos os adultos arrumem empregos, recebam formação, tenham assistência médica e as crianças e jovens em idade escolar possam estudar. A ideia é formar uma rede de solidariedade com o poder público, comunidades, organizações diversas de modo que estes irmãos venezuelanos aqui possam construir uma vida digna.

Quem quiser ajudar os irmãos venezuelanos e tantos outros imigrantes de outras nacionalidades que estão sendo acompanhados pela Cáritas Diocesana pode ligar para (48) 3622-4356.


MAIS NOTÍCIAS